Estudante do GDV tem oportunidade de cursar universidade na Nova Zelândia

Estudante do GDV tem oportunidade de cursar universidade na Nova Zelândia

Campus da Massey University em Auckland, Nova Zelândia.

Além de ser um país superdesenvolvido, que figura em diversas listas de “melhores lugares para viver”, a Nova Zelândia possui um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito alto, ocupando a 16.ª posição no ranking de 2017. Educação de qualidade, ótimas opções de cursos superiores e facilidades em conciliar os estudos com trabalho são alguns pontos que fazem muitas pessoas escolherem a Nova Zelândia como destino. Um país amigável, aberto para gente jovem, que está disposta a estudar e trabalhar.

E essa oportunidade está aberta para os estudantes do Colégio Guilherme Dumont Villares, que há seis anos mantém parceria de intercâmbio no Ensino Médio com o Howick College, e que em 2019 amplia suas opções ao oportunizar o ingresso de seus alunos em cursos superiores oferecidos pelo Eastern Institute of Technology (EIT) e pela Massey University.

No dia 02 de abril, em parceria com a Education New Zealand – Happy Life, o GDV apresentou para pais e alunos do 8.º ano do Ensino Fundamental à 3.ª série do Ensino Médio os fundamentos dessas parcerias e como viabilizar o estudo superior naquele país. Na ocasião, representantes das renomadas instituições neozelandesas realizaram a apresentação das oportunidades de estudo nas escolas e universidades, os campi e suas instalações e cursos oferecidos, custos, suporte ao aluno, oportunidades de estágios, trabalho e pesquisa.

As universidades neozelandesas, hoje, recebem estudantes de mais de duzentas nacionalidades e estão posicionadas entre as melhores universidades do mundo, preocupadas em formar estudantes para o futuro (profissões do futuro) nas áreas de tecnologia, comunicação, empreendedorismo e criatividade.

Hoje vivemos num mundo sem fronteiras e cabe à escola trazer novas oportunidades para o estudante do GDV. A intenção dessas parcerias é abrir possibilidades para o estudo em universidades fora do país como parte do projeto de vida do aluno. Para a Prof.ª Eliana Baptista Pereira Aun, Diretora Geral do GDV, “quando resolvemos estabelecer parcerias para alavancar a educação de qualidade oferecida pela escola já se projetava as necessidades da educação para o século XXI. Assim, fomos pesquisar e conhecer a Nova Zelândia, país que para nós reunia as melhores condições para receber nossos alunos. O primeiro passo foi a parceria com o Howick College, há seis anos, e agora com as universidades neozelandesas. Hoje, o aluno constrói seu projeto de vida a partir do 8.º ano e as oportunidades que surgem para que ele realize esse projeto devem ser trazidas pela escola”.

Na Nova Zelândia, durante o período escolar, os alunos ficam hospedados em casas de famílias neozelandesas, que têm prazer em receber estudantes estrangeiros, que oferecem toda alimentação e acomodações para o bem estar do estudante. O horário escolar, de segunda a sexta-feira, praticamente ocupa o dia inteiro e além das atividades acadêmicas, esportivas e culturais, os alunos são envolvidos em ações sociais voluntárias.

No encontro, os pais puderam esclarecer dúvidas como orientações gerais sobre custos, bolsas e ajuda de custo, seguro, saúde, validação de diploma e documentação necessária para estudar na Nova Zelândia. Para Walter Medina, pai da aluna Núbia (9.º ano) “minha filha tem interesse em estudar fora do país e a apresentação trouxe muito esclarecimento. O GDV dá essa perspectiva para os pais de um bom desenvolvimento e formação dos jovens, nossos filhos. Observamos que a escola abre muitas oportunidades para eles e essa (estudar na Nova Zelândia) é mais uma delas”.

Essa opinião é corroborada por Ralph Martin (Rafaella 9.º ano), para quem esse programa oferece uma oportunidade de aprendizagem de novas culturas, novas línguas e ampliação do conhecimento. “Eu acho fantástico o colégio oportunizar isso e nos dá mais segurança, pois é através de uma escola, o GDV, que já conhecemos e vivenciamos há tantos anos e não através de uma agência. O nosso desejo, meu e dela, de estudar fora do Brasil já tinha como foco a Nova Zelândia e calhou de o GDV abrir essa oportunidade. A probabilidade dela ir é muito grande”, afirma. Já Rafaella, gostou das opções de cursos e o apoio que o programa oferece ao estudante. Segundo ela, “existem vários cursos que foram mostrados que eu tenho interesse e vou me informar mais sobre eles e se der irei estudar lá”.

Para o Colégio Guilherme Dumont Villares, quanto mais cedo o aluno estiver focado e comprometido com os estudos e seu projeto de vida, mais cedo ele poderá criar opções futuras, e estudar na Nova Zelândia é mais uma oportunidade que a escola oferece. E quanto mais opções ele tiver, melhor.

Educadores neozelandeses e equipe do GDV.
No Comments

Post A Comment